Um beijo

             Minha história é, sem dúvida, singular.
Conheci meu atual marido em Goiás, em uma das minhas inúmeras viagens. Na verdade, em uma emergência – uma pane em uma estrada de terra quase intransitável durante uma chuva torrencial, quando ele passou por mim, a cavalo.
Eu não sabia se suspirava de alívio ou se entrava em pânico. O medo primitivo pelo macho aflorou-me à pele, porém, afinal, eu sou uma mulher moderna, versada em artes marciais e que já enfrentara as ruas de São Paulo, Rio, New York e Hong Kong - e sobrevivi.
Foi paixão à primeira vista.
Que gentileza! Que respeito! Quanta amabilidade!
Aquele homem fez com que eu me sentisse, ali no meio do nada, tão importante quanto uma grande dama.
Graças a ele dormi com segurança, de estômago cheio e de alma leve, depois de uma boa prosa ao pé do fogo.
Na manhã seguinte ele me acompanhou ao mecânico e não me deixou durante toda a semana, fazendo-se meu guia turístico exclusivo.
Eu estava encantada com a pessoa linda que ele revelava ser e completamente apaixonada, quando ele me pediu em casamento, à moda antiga, com todo o respeito.
Eu já era viúva nessa ocasião. Há muito deixara a juventude para trás e, digam-me: que mulher, em qualquer idade que seja, resiste a um homem que a ama tanto a ponto de querer casar?
O primeiro choque foi descobrir que ele era um completo analfabeto. Se eu o soubesse ao primeiro olhar jamais teria existido o segundo. Eu, com formação universitária!
Descobri que existe em meu país, bem próximo a Brasília, a capital, uma comunidade sem energia elétrica e sem água encanada. Ali nascera e viveu Onofre, sem rádio, sem televisão, sem videocassete, sem computador e sem água quente, criado em lar alegre, amoroso, com pão caseiro feito em forno a lenha e roupa lavada na beira do rio, trabalhando a terra sem adubos químicos, em perfeita harmonia com a natureza, o que incluia também uma perfeita harmonia com as cobras, lagartos e os mosquitos.
Eu fui conhecer a família dele, gente alegre que conta “causos” e canta à noite ao redor da fogueira, vivendo tão bem que a gente até fica pensando: quem está certo, afinal? Não serão eles? – Meu bem, o que é aquelo preto lá no teto, que parece grande demais parra ser barata? Eu olho pra coisa e não consigo dormir!
– Nada não, meu bem, é só um morceguinho. - Ai ! - Você é mesmo engraçada, tão grande e com medo de tudo.
Como eu me declarasse absolutamente incapaz de viver à beira do rio, ele concordou em se instalar na cidade, onde já estamos, juntos e felizes, há nove anos.
Claro que houve desencontros, e monumentais, em nossa vida juntos, uma união tão desigual. Com bom humor superamos todos os obstáculos. Houve um incidente, entretanto, quase letal. Estávamos em frente da TV, quando passou um documentário sobre a chegada do homem na lua e meu marido desatou a rir:
– Ah! Que piada ! Como se um cristão pudesse sair desse mundo onde Deus o colocou!
Perplexa, comecei a explicar-lhe tudo o que sei sobre a corrida espacial, toda a importância da ciência, da NASA, dos homens que dedicam toda a sua vida a estudar os céus... e a frustração de ver o matuto ignorante e incrédulo a olhar-me penalizado pela minha ingenuidade. Meus sentimentos foram variando da vergonha à raiva e culminaram em arrogante desprezo, quando ele respondeu:
– Benzinho, repita este discurso quando estes tais de astronautas chegarem ao sol – e riu à solta.
Foi demais ! Levantei-me disposta a acabar com tudo, a jogar o casamento no lixo, seria impossível uma mulher civilizada conviver com um troglodita ignorante. Ele nem desconfiou de minhas intenções. Em um gesto puro, espontâneo e simples, seus braços amorosos envolveram-me e depositou em meus lábios um beijo tão doce que eu lá fiquei de pernas bambas, completamente rendida. E concluí que o coração de um homem, do meu homem, vale mais que um lapso na história da humanidade – a ida do homem à lua.

Sonia Regina Rocha Rodrigues

4 Responses

  1. Lindo esse conto. Será que é uma história real? Daria um livro mto legal :-D
  2. Lindo esse conto. Será que é uma história real? Daria um livro mto legal Ana Luiza, pelo Yahoo

Leave a comment