O Tempo

O Tempo.

Não me critique, nem me compare com outros, com os quais já saiu.
Não procure em mim, pontos fracos. Ninguém é perfeito, olhando de perto,
muito menos eu, com defeitos mil. Mas todos tão ingênuos e tão sutis.

Inseguro, ciumento, carente e careta, marcado pela vida esses anos todos,
não me vejo no espelho que outros veem e procuram seu melhor ângulo.
Alto ou baixo, gordo ou magro e feio, não importa, a cada dia, uma festa.

Você foi pra bem longe, e amor à distância, por mais forte um dia acaba.
É sentimento que se constroem juntos. Não sentir seu calor, sua boca, as
noites longas, silenciosas e solitárias e frias ou quentes amortece e mata.

Não podia te oferecer muito e você nada me ofereceu. Eu tinha apenas uma
blusa vermelha contra o frio, mas sobrevivi ao inverno e à ironia. Estudei,
trabalhei muito também, mas para você era muito pouco ou quase nada.

Até conhecer uma moça que viu tudo diferente. Valores que desconhecia, mas
existiam, estavam ali, presente. Mostrou-me o que de fato era, mas não sabia.
Despertou-me, retirou o manto escuro que me ofuscava. Deu-me uma família.

Um família linda, que surpresa minha! estava ali, à espera de alguém incrível,
inteligente, que havia decidido construir algo diferente, deixando de lado meus
defeitos, focando minhas virtudes, que só ela via, e se fez imprescindível.

Se não fui mais feliz foi incompetência. Ela mostrou todas as possibilidades,
e com sua força, paciente conseguiu que eu as aproveitasse, e fosse feliz e
iluminasse cantos, recantos e minhas próprias sombras com a luz de sua alma.

Mas não foi sempre assim. Com o tempo, apaguei de sua boca, o traço mais
lindo do seu sorriso. No centro de seu lábio uma curvinha sutil, rara e tão
linda que só eu notava, dádiva consagrada a mim em meus momentos de leveza.

Tornei sua vida pesada, cansada, eu sei, com momentos de angústias sem fim
mas, ela, como sempre, muito forte, sem nunca me criticar, defendeu-me
de mim mesmo, em meus momentos ruins, e de sua força tirei a minha.

Juntos trabalhamos e juntos construímos quase um império, só não foi maior,
por sermos, por demais, sérios . Éramos como padre e freira em prostíbulo,
onde comprar ou vender pessoas era questão de preço e não do mérito, que dor.

Como tudo na vida, isso também passou. Não construímos o império, mas laços
entre nós, que de tão forte, atraímos mais três, depois vieram mais dois e logo
ela chega para acrescentar mais luz à nossa união, à nossa felicidade sem fim.

Escrever um romance é como olhar para o horizonte bem longe.
Escrever um conto é olhar para o amanhã, logo ali.
Escrever um poema é o hoje, é abrir sua alma àqueles
que o querem ver, ler ou ouvir.

B.Milan

No Comments Yet.

Leave a comment